As birras chegaram??? Calma, O psicologo vai falar sobre elas!

birra-crianc3a7a1

“Em um momento você está passeando tranquilamente com o seu filho, mas se ele ver e pedir algo e você negar, em minutos aquela criança calma e tranquila grita, chora, berra e joga-se no chão. E além de envergonhada e perdida com a rápida mudança de comportamento, você fica atordoada sem saber como agir, podendo sair do controle gritando com a criança, arrastando-a pelo braço ou tentando inutilmente conversar com ela, na tentativa de que ela pare. A reação da criança é de certa forma “normal”, já que ela está na fase da descoberta, sendo movida pelo desejo e curiosidade, sentindo assim angustia e desgosto quando não consegue o que quer, e não conseguindo verbalizar o que sente, usa com toda a força o que tem; o grito, o choro e o corpo!

Na birra, ela não entenderá as suas explicações, por não possuir ainda a capacidade de esperar para que o seu desejo seja realizado. O adulto pode esperar uma semana, um mês ou mais, para ter o seu desejo atendido, já a criança não possui noção de tempo e deseja tudo imediatamente, e o “amanhã” ou o “depois” é algo que não sabe medir.

A birra é algo difícil de suportar, principalmente quando acontece em publico, mas agitar-se, gritar ou ceder também não ajudará em nada. Existem crianças que são mais calmas e raramente fazem birra, já outras… E isto depende daquilo que é inato à personalidade da criança e a educação que ela recebe, e faz parte da crescente independência que a criança naturalmente desenvolve, cabe a você ensinar formas adequadas de expressão da vontade que não sejam tão agressivas.

Tendo menos de 3 anos, a criança rapidamente esquecerá tudo o que você falou antes de sair de casa, e no choro não escutará você, por estar muito ocupada consigo mesma. Manter a calma é fundamental, se você não tem autocontrole, como pode desejar que criança tenha? Controlar a raiva é a primeira atitude que você deve ter, deixando para conversar depois que a criança se acalmar, caso contrário será um trabalho inútil.

Ser rígido ou permissivo demais é um descontrole seu, refletido no comportamento infantil, e lembre-se que a criança repete o que os adultos fazem em especial o pai e a mãe.

Algumas mamães sentem-se colocadas à prova, no momento da birra, e além de sentir “culpa” por não controlar a situação, sente-se cobradas pelo esposo – Ele é tão responsável pela educação quanto você – e pelos outros.

É dever do adulto compreender que é uma criança que chora, e caso não entenda isto definitivamente o problema não é seu.

Na Birra, não perder o controle, ser firme e manter a calma para transmiti-la ao seu filho é fundamental, já que se você se agitar, além de assustá-lo a situação pode piorar! As regras sociais e comportamentais são aprendidas nesta fase, e caso não aprenda o seu filho pode ter dificuldades na escola e nas suas relações interpessoais presentes e futuras, portanto ser firme na postura e na voz ajudará bastante. Caso ceda ao seu pedido, irá reforçar o seu comportamento já que ele descobriu uma maneira de conseguir o que quer de você.

Eu sei que é difícil dizer não ou manter a paciência quando o filho chora, mas a criança precisa entender que nem sempre terá o que deseja ou quando deseja, isto faz parte do crescimento equilibrado, saber que há limites e que não se pode ter tudo o que quer.

A criança repete o que fazem os pais, tanto na tranquilidade, quanto na raiva, afinal alguns pais também fazem birra, brigam e são mal educados na frente do filho, será que ela não esta refletindo um comportamento adulto?

Outra coisa importante, não discuta na frente do filho, porque ele perceberá quem tem mais “poder” e tenha certeza que usará isto a seu favor. Certa vez Eu estava no shopping e vi uma criança berrando, não resisti e me aproximei para observar o que a sua mãe faria… A mãe tentou levanta-la pra conversar olho a olho, mas ela esperneou e jogou-se no chão, a mãe levantou-se e falou: “quando se acalmar, conversamos.” E saiu andando! O menino não teve outra coisa a fazer a não ser parar de chorar e correr atrás da mãe, que por sua vez o tratou normalmente como se nada tivesse acontecido. Quase parei para parabeniza-la pelo controle e segurança!

Finalizo lembrando que ser flexível também é necessário, não distribua “não” à toa, use-o quando realmente for importante, e no futuro você colherá seus frutos e seu bebe também!” Explica o Psicologo Thulio Kassio.

Éééé amigas, não é fácil, ninguém falou que seria, maaas a gente chega lá! Ahhh se chega!

Anúncios

Masturbação na infancia – Você sabe que acontece???

61100a7phtuvfqi

A masturbação faz parte da vida das pessoas desde a infância, mas é tabu em qualquer fase.

Desde a Idade Média, incutia-se na cabeça de crianças e jovens “males” causados pela prática, como loucura, isolamento, espinhas no rosto e até pêlos nas mãos. Tudo bobagem! Por volta dos 3 anos, a criança passa por mudanças significativas: deixa de usar fraldas, torna-se mais independente dos pais e descobre seu corpo. Nessa “exploração”, ela se toca e acaba descobrindo o prazer que isso causa. Essa fase faz parte do desenvolvimento, assim como engatinhar, andar e falar. Nem por isso deve-se considerar tudo natural e permitido. É possível que a masturbação seja um problema quando é freqüente. Pode ser sintoma de que a criança não consegue encontrar prazer nas brincadeiras e no relacionamento com colegas e adultos.

Como agir:

Em primeiro lugar, explique que há coisas que não devem ser feitas na frente das pessoas, como cocô e xixi ou brincar com os órgãos sexuais. Mostre a diferença entre público e privado e não entre certo e errado.Recriminar pode ser desastroso, pois é possível que o garoto ou a garota acabe por misturar sentimento de prazer e satisfação com complexo de culpa.

Segundo, desvie a atenção dessas crianças para os prazeres da escola, como pintar, tocar um instrumento, brincar, correr, dançar e jogar. Valorize a imagem e melhore a auto-estima delas, elogiando suas tarefas e dando-lhe atenção.

Dicas:

– Para você identificar se a criança está tendo um comportamento compulsivo, observe se além de masturbar-se ela apresenta outros sinais, como isolamento, dificuldade para participar de atividades em grupo e baixa auto-estima.

– Não chame a atenção da criança na frente da turma nem recrimine a masturbação. Converse com ele em particular, dê atenção e afeto.

(Para o caso de voce ser educador, Se o problema persistir e você sentir necessidade de conversar com os pais, esclareça que a masturbação é um ato comum e normal, mas respeite a crença religiosa da família. Para muitas pessoas, a masturbação é considerada pecado, mas insista que recriminar pode causar danos maiores.

Autor: Silvia Maria de Freitas Adrião Fonte: Portal Revista Escola

Dra Marina fala sobre Cremes para a área das fraldas

Cremes para a area das fraldas.

Todas as mães utilizam cremes para proteger a pele do seu bebê contra as terríveis assaduras.

Eles são realmente necessários?

A pele do recém nascido é muito fina e delicada, o contato constante com a fralda úmida pode produzir irritações e assaduras que incomodam muito o bebê. As fraldas modernas absorvem muito bem a umidade, mas não evitam que a região fique abafada. Sempre digo que a fralda agüenta 12hs de xixi, mas a pele do bebê (recém nascido) não.

Os cremes para prevenção de assaduras têm a função de criar uma barreira entre a umidade e as fezes e a pele do bebê. Então o melhor é aquele que não sai!!!! Não é necessário que ele  seja visível, mas ele precisa permanecer na pele até a próxima troca.

Os cremes a base de pantenol ou lanolina são transparentes mas fazem muito bem seu papel de barreira e podem ser percebidos quando passamos a mão na pele do bebê e sentimos o creme. Uma coisa importante é que o creme precisa ser retirado por inteiro quando em contato com as fezes! Mesmo que você não veja, o resíduo de creme tem que ser retirado pois  está “contaminado”pelas bactérias das fezes.

O uso de sabonete pode não remover completamente o creme da pele, ou só remover se esfregar muito (o que não é bom). Uma dica muito boa é usar óleo (puro ou de amêndoas) para retirar o creme da pele e só então usar a água e sabonete. Com isso você remove até aquele creme mais difícil de sair, sem nenhum esforço.

Lembre: se o creme saí fácil, ele não faz o papel dele de criar uma barreira!!!! E creme “sujo”não pode permanecer na pele, mesmo que você não esteja vendo.

Pele bem protegida é pele saudável e bebê ( e mamãe) feliz.

Receitinha de comida básica pra bebês

llk
image

A pedidos, hoje vamos falar sobre papinhas!

Quando Matheus tava na fase das papinhas, eu tive o especial cuidado de fotografar o passo a passo do almoço do dele, porque vi que muita gente tem duvidas sobre o que dar de comidinha para o seu bebe.

Mamaes, nessa altura Matheus tava com 9 meses, então vocês adaptam a base para a idade dos seus bebes com os alimentos liberados pelo seu pediatra.

O meu “segredo” é a base que eu faço de legumes.

Coloco pra cozinhar todos os legumes que tiver em casa, as vezes capricho nos de cor verde, outras no de cor laranja, ou então misturo. Depois de cozinhados levo no triturador, mas chega uma fase que nao se deve colocar mais no triturador, tem que amassar com o garfo. Trituro tudo e essa é a base.

A partir dai é só juntar, frango, carne ou peixe (nesse dia foi carne), juntar arroz ou massa, jogo uma cebolinha ou salsa, acrescento o azeite e a pitada de sal e as vezes finalizo com algo tipo beterraba ou ovo. Pronto!

Olha como ficou colorido e como o pequeno abriu a boquinha pra comer tudinho.

Detalhe 1: A base de verduras eu trituro mesmo, os pedaços deixo que sejam a carne, o arroz e/ou feijao esmagado.

Detalhe 2: Verduras que coloco? No inicio quando Matheus começou a comer variava entre cenoura, abóbora, xuxu e batata, depois a pediatra dele (Dra Marina Rocha Azevedo @minha pediatra)  foi liberando os legumes e eu fui acrescentando. Nessa da foto tinha, vagem, brócolos, cenoura, couve, espinafre, batata, abobrinha, cebola e alho.

Quando tenho, coloco tambem alho poro e dá um gostinho delicioso a sopa.

Detalhe 3: O grande segredo é você nao stressar, com o tempo voce vai conhecendo o que o seu bebe mais gosta ou menos gosta e ele vai comendo melhor!

Tenham muita PACIENCIA, e saibam que o bebe pode nao gostar a primeira, mas amar na segunda tentativa! Se apos umas 4 vezes (refeições do mesmo) ele continuar sem gostar, ai voce deixa pra insistir depois!

Bon apetit mamães

Sentimentos de uma mae em segunda lua de mel

image

Finalmente estamos regressando ao aconchego do lar.
Tentei fazer um diário sobre a viagem mas nem sempre minha internet era boa e meu tempo também nao era muito, me perdoe quem gostou da ideia e nao viu seguimento, mas foi impossível pra mim.
Mas vamos aos sentimentos, acho que é isso que todos querem saber… como aguentar fazer uma viagem sem filhos. Nem eu sei bem como consegui. Evitei ao máximo falar de Matheus, se ficasse pensando e falando o dia todo nele acho que nao aguentaria, por isso tentei ao máximo me distrair e aproveitar de verdade umas férias só com o marido e vou dizer, o casamento agradeceu e muito. O velho casal apaixonado, renasceu numa forma mais madura mas ao mesmo tempo voltou cheio daquela paixão de inicio de namoro (bom né? ). Sabiamos que aquele era o nosso momento e queríamos aproveita-lo ao máximo mesmo.
Matheus aparecia nas conversas no final do dia, quando chegávamos ao hotel e corriamos pra ver se tinham enviado algum vídeo dele. Aí sim, as saudades machucavam, dava aquele aperto no coração e no silencio do meu pensamento sempre pensava em como tinha tido coragem de deixa-lo.
O medo não é que ele esteja sendo mal cuidado ou que nao esteja bem, de forma nenhuma. Sabe qual é o medo de verdade? O medo é que ele te esqueça,  que quando você chegar ele prefira outra pessoa que nao você… esse é o medo!!! Sempre que vi vídeo dele, ele estava feliz,  sorridente, todo engraçado… e sem mim! É uma realidade que muitas mães nao querem encaram e eu admito isso. Meu filho sabe ficar bem e feliz sem mim!
Temos filhos para cria-los para o mundo mas o sentimento de mãe nao nos permite tao cedo encarar isso como um fato. Queremos que eles sejam eternamente os nossos bebês.
Sabe o que pensei inúmeras vezes? Porque deixei de amamenta-lo!? (E ele mamou até ter 10 meses) se ele ainda mamasse eu tinha a desculpa perfeita para o ter trazido comigo. E sabe de uma coisa? Acho que isso é um dos motivos pelos quais muitas maes nao querem parar de amamentar o pequeno. Julgo que nao querem encarar o fato do seu bebê nao ser mais um bebê… EU senti isso! (Nao se ofenda quem nao acha que é assim… é apenas uma idéia que EU tenho, mas outros podem não ter, além de todos os outros motivos super válidos para continuar a amamentar e que eu super apoio. Não quero dizer que isso é motivo inválido para continuar amamentando de forma nenhuma, espero que entendam).

Então viajar sem filhos é assim: você vai, e vai até bem, mas se você vai mais de uma semana, então se prepara porque a coisa começa a custar mais a partir dai, de resto tem o lado muito bom que compensa e que faz tudo valer a pena.
Uma das melhores partes? Você dormir.. dormir o quanto você quiser e isso eu tava precisando de verdade.

Conclusão?
Neste momento nao quero viajar  nuncaaaaa mais sem ele! Kkkk mas isso é porque estou voltando morrendo de saudades dele e ainda nao pude vê-lo, senti-lo, nao pude me certificar que ele nao me esqueceu de forma nenhuma…
Depois que eu me sentir de novo a pessoa mais importante e especial da vida dele,  aí sim eu volto aqui pra dizer se voltarei a ficar tanto tempo sem ele ou nao. Kkkkk

Amanhã vou tentar falar aqui de dicas de viagem, hotel, dicas para economizar, dicas de lugares, etc… aguardem, acho que vao gostar. 

(Post escrito ontem durante o voo de regresso)

Bjooos

Diário da nossa primeira viagem sem filho. DIA 0 + DIA 1

Dia 0 –
Matheus parecia advinhar que alguma coisa estava prestes a acontecer.  Normalmente,  no máximo às 21h ele está dormindo,  mas no domingo não havia quem o fizesse dormir. Deu 23h e e ele não queria sair do meu colo de forma nenhuma, muito menos dormir. 
Eu tinha que sair de casa à 1 da manhã e estava a começar a ficar angustiada pois ainda tinha muita coisa pra organizar e queria deixa-lo dormindo.
00:30 ele se rendeu. Consegui deixar tudo organizado e partir com o coração calmo, graças a Deus.

Coisas que aprendi:
● Foi uma ótima idéia ter escolhido um vôo de madrugada. Matheus deu trabalho pra dormir, mas quando consegui, partirmos tranquilos, sem ficar chorando por ver pai e mãe ir embora. (E ele tá naquela fase que não pode ver ninguem ir embora que dá escândalo).
● Achar que criança nao entende e nao sente nada é pura ilusão.  Eles podem não saber exatamente o que é, mas sabem que alguma coisa se passa. Isso porque é quase impossível conseguir-mos não passar pra eles a nossa  ansiedade.  Ainda assim, acho que escolhi viajar na altura certa. Ele ainda nao entende totalmente o que esta a acontecer, mas já esta “maduro” o suficiente para poder ficar com a avó uns dias sem me ter por perto.

Dicas:
Deixe tudo organizado o mais cedo possível.
Tente que a rotina do pequeno mude o mínimo possível durante a sua ausência. 

Conclusão do dia:
   Até Matheus ter uns 9 meses, na minha cabeça era inconcebível viajar sem ele. Me separar apenas por umas horas já doía, quem diria me separar por uma semana.  Mas chega o dia que você se sente parcialmente pronta e é nesse dia que você precisa tomar a iniciativa e marcar a viagem. 
Como saber que está “parcialmente” pronta? Fácil,  você começa a sentir que está precisando de descanso e a sua cabeça começa a falar mais alto que o seu coração.  O papo é mais ou menos assim:
“Deixa de bobagem,  todo o mundo consegue porque você nao vai conseguir?  Ele vai ficar bem, e o seu casamento vai agradecer! Vai logo, toma coragem,  você vai ver que vai ser muito bom!”
Pensou isso ou algo semelhante? Corre pra conversar com o marido e comecem a olhar e escolher destinos. O tempo que leva até aparecer “aquela” oportunidade de viagem ja fez com que você se acostume com a ideia e comece a querer de verdade que esse dia chegue logo.

Dia 1
A viagem foi longa e super cansativa, mas estavamos tão animados que o voo até que passou rápido.

Coisas que aprendi:
Depois que virei mãe, moooorro de medo de morrer! Fico sempre pensando que nao posso deixar o meu filho órfão, sei lá. Agora imaginem eu dentro de um avião, depois de ser mãe. Kkkk a cada turbulência, o coração quase pulava da boca. Me agarrava na mão do marido e só rezava pra que Deus nos protegesse. Isso porque antes eu nao tinha medo nenhum de voar e quase faço o curso de piloto de avião, imaginem se tivesse medo. Kkkkkkkk
Perguntei ao marido se ele também sentia isso, e o sentimento é comum, então estou normal! Kkkkkk

Dicas:
Sempre que a saudade bate, começo a falar sobre outras coisas, distraio a mente e isso ajuda.
Não está custando ainda tanto quanto eu pensei que fosse custar (Esperemos pelos próximos dias pra ver como vai ser rs).

Conclusão do dia:
Se eu pudesse descrever como está o clima entre eu e o meu marido, muitas de vocês largavam este texto e abriam ja um site de viagens pra reservar ja a sua.
Estamos super pacientes um com o outro (coisa que fazia tempo que nao sabíamos o que era). Tudo é motivo para nos abraçarmos e beijarmos um ao outro, conversamos, rimos, brincamos e nos divertimos com tudo! Ate com a cena que vos vou contar agora.
Quando fizemos a programação da viagem, resolvemos que chegariamos a Miami e seguiríamos direto de carro pra orlando. Deixaríamos miami para visitar no fim da viagem, e assim foi. Loucura, digo logo! Não o façam!!!
Pousamos às 17h mas só conseguimos pegar o carro as 19:30h (tinha fila em tudo que era canto).
Pegamos o carro e lá fomos rumo ao nosso destino. Sao 4 horas de viagem, isso mesmo, 4 horas kkk numa estrada que parece uma reta sem fim. Conversa vai conversa brincadeira vem, certa hora começamos a avistar raios no céu. Mas gente, nao era um e depois outro nao, era tipo raios com menos de 1 minuto de intervalo um do outro quando não era ao 2 e 3 ao mesmo tempo. Pensamos que vinha chuva da boa, e estavamos indo exatamente na sua direção. (Assustador) marido começou a ficar tenso. A estrada era um breu só, e se o tanto de raios que tavamos vendo representasse o tanto de chuva que vinha… ia desabar um oceano em cima da gente. E praticamente desabou. No fim da viagem, quando faltava uns 30 km pra chegar, começou a chuver, tanto mas tanto, que nao dava pra ver um palmo na frente, e o pior, os raios caindo ao nosso lado, um barulho ensurdecedor. Aterrorizante mesmo! Foi assim até chegarmos ao hotel!
Saulo (o meu marido) ja estava tenso por chegar ao hotel tao tarde da noite, tinha medo de chegar e nao ter ninguém na recepção kkkk (nos hotéis mais em conta em orlando, se você chega tarde, pelos comentários que lemos isso parece ser bem comum kkkk) mas eu sou suuuper tranquila com relação a essas coisas, só me preocupo quando acontece e ainda assim nao me preocupo muito, porque sempre tem solução, mas ele só relaxa quando tudo deu certo, agora imaginem uma pessoa stressada dirigindo no meio de um temporal, tentando me passar tranquilidade. Quando entramos no quarto morremos de rir com as nossas caras tensas e do sucedido.
Mais nunca que repetimos a dose. Kkkkk

Gente, hoje o post ficou longo, mas pelo menos ficou atualizado.
Podem comentar la no instagram, é mais facil e rápido pra mim de ver e responder.

Bjooos,
Até amanhã